6 de março de 2016

Ponte para Terabítia - Sessão Cinema Forever

  Hey leitores! Pra esse blog eu já fiz posts sobre séries e animes, e resolvi me arriscar a resenhar filmes agora. E a maneira mais legal que achei que poderia ser esse começo seria fazendo resenha do meu filme favorito, Ponte para Terabítia <3.

  Não se trata necessariamente do melhor filme que já assisti ou o mais genial, impactante, premiado ou coisa do tipo. Mas sim da quantidade imensa de boas sensações que Ponte para Terabítia consegue me transmitir, além da filosofia criada e da beleza da fantasia tão inocente e tão apaixonante, que fazem sim dessa maravilha meu filme pra vida.


  O filme foi lançado em 2007 e é baseado no livro de mesmo nome da escritora Katherine Paterson, roteirizado e adaptado pelo seu filho David Paterson. Tem um elenco lindo, ganhador de prêmios pelo Critic’s Choice Awards, e considerado uma adaptação fiel, emocionante e repleta de boas mensagens.

  A história aborda a vida de Jesse Aarons, interpretado por Josh Hutcherson (Jogos Vorazes), que mora com sua família na Vírginia. Seus pais estão passando por dificuldades financeiras preocupantes, e isso impede, por exemplo, o Jess de ganhar tênis novos, já que os seus estão sujos e surrados, e ele acaba tendo que usar o par cor-de-rosa da sua irmã. Jess é um menino criativo, sonhador e com um teor artístico apurado, coisa que se revela na tentativa ingênua dele de disfarçar a cor dos tênis pintando-os com caneta preta.


  Jess também tem um talento singular para desenhar e pintar. A sua melhor fuga do mundo é imaginar criaturas estranhas, monstros bizarros e também heróis e animais exuberantes. É sobre criar seu próprio universo e fugir daquele que é entediante e cruel. Jess se sente em casa ao lado dos seus desenhos bem mais do que poderia experimentar em sua escola, onde sofre bullying e é ridicularizado.

  E eis que surge em sua escola a menina mais esquisita que o Jess já viu. Leslie Burke, personagem da AnnaSophia Robb (The Carrie Diares e A Fantástica Fábrica de Chocolate), uma garota que tem a imaginação mais frouxa que qualquer um que ousou passar na vida do Jess. Leslie rapidamente é deixada de lado pela turma da escola por causa do seu jeito excêntrico, seu andar atrapalhado e sua cabeça avoada (ela não tem televisão em casa porque seu pai diz que queima os neurônios).

  Leslie e Jess logo descobrem que são vizinhos, e mesmo Jess fazendo de tudo para não manter contato com ela, eles acabam se desarmando e virando bons companheiros e até melhores amigos. Ponte para Terabítia mostra uma personificação linda do que é amizade, da necessidade dos sonhos e como você nunca está sozinho com os seus pensamentos confusos e adversos ao resto do mundo. 

.

  Mas engana-se quem pensa que se trata de mais uma história clichê sobre crianças que aprendem a gostar um do outro e passam a aprontar por onde andam. O cunho filosófico de Ponte para Terabítia é ousado e inovador. Um bom exemplo é quando a Leslie invade a corrida de intervalo, na qual só podiam participar meninos, e ela consegue ganhar de todos os competidores, até mesmo do Jess que passou suas férias treinando intensamente. Além de mostrar uma menina invadindo um espaço que não era seu, a Leslie ainda dispara uma vibe bem “é só uma corrida, vem, me dá a mão” com um sorriso no rosto em busca de diversão. Isso funciona como uma perfeita analogia que dialoga igualdade de gênero, feminismo e espírito esportivo num exemplo que se encaixa super bem para o público infantil.

  Além disso, em certa cena eles discutem sobre religião e Deus, e a maneira inocente como duas crianças debatem sobre o que significa realmente ter fé demonstra uma beleza muito única. A irmã mais nova do Jess, May Belle, disse para a Leslie que a história de Jesus era horrível e triste e que se não acreditasse na Bíblia ela iria pro inferno. Leslie revidou afirmando que não precisava acreditar e mesmo assim achava lindo, enquanto os outros acreditavam e diziam ser lamentável. Leslie cita que Deus deve estar ocupado demais cuidando de tanta beleza no mundo e tentando preservá-la pra se preocupar em mandar pessoas pro inferno ou simplesmente condená-las.

  Mas o melhor do filme, sem dúvida, é se deixar levar pelo mundo criado por Jess e Leslie, a maravilhosa Terabíta, alcançada após você se balançar numa corda especial enquanto você voa entre árvores e um riacho. Uma terra inteira que existe apenas na imaginação deles, mas não significa que não seja real. Com direito a vilão e criaturas que anseiam em destruir os reis de Terabítia, os dois vivem aventuras e ganham poderes apenas deles, num mundo compartilhado e mantido pelo elo de amizade e afeto que se criou entre duas crianças rejeitadas pelo mundo.


  Eles constroem seus próprios fortes e usam das suas ideologias para pregarem peças nos valentões da escola, lançam a campanha do xixi de graça, pintam, constroem, quebram, roubam luz dos sinos das catedrais onde é errado menina usar vestido e tênis. Eles criam magia onde é proibido sonhar e desobedecem as regras sabendo que estão fazendo as melhores escolhas.

  E ênfase para a professora de música dos dois, Sra. Edmunds, interpretada pela Zooey Deschanel (New Girl e 500 dias com ela), pessoa que incentivou e ajudou as crianças na construção e libertação do imaginário delas, principalmente do Jess, mostrando faces desconhecidas do significado e beleza da arte.

  Ponte para Terabítia tem uma reviravolta trágica e triste, capaz de me fazer chorar toda vez que eu o assisto. Mas possui um dos ensinamentos mais lindos e profundos entre os que eu guardo pra vida toda. Uma lição de amizade e também de amor, de poesia, fantasia, sonhos e de que não existe nada de errado em escapar para o seu mundo, mesmo quando a realidade te puxa de volta e mostra o seu pior lado.



O que você faria se soubesse que aquela seria a última vez?

  Ponte para Terabítia é um filme que eu recomendo pra todo mundo e também me desmancho em elogios e amores. A Leslie foi o meu primeiro crush na infância (também, né?) e me fez querer ter amigos como o Jess e ela, me fez ansiar por essa imaginação tão linda e ter minha própria Terabítia. Me fez sonhar e acreditar em magia. E pra falar a verdade, ainda faz.

  Leitores Forever, sem nenhuma hesitação sequer, indica com certeza! <3

Feche os olhos, mas deixe a sua mente bem aberta.

2 comentários:

Dê sua opinião sobre o assunto discutido acima :D

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Copyright © 2015 | Design e Código: Natana Duarte - Colecionando Livros | Uso pessoal