23 de fevereiro de 2015

Post Especial: O primeiro e único clássico nacional que já li

  E aí leitores, como estão?
  Bem, recentemente eu fiz dois posts sobre livros nacionais que eu tenho na minha estante. O primeiro, os livros dos novos talentos nacionais (veja aqui); o segundo, os livros nacionais que ou são os clássicos ou os já famosos (veja aqui). Na verdade, quando eu tive a ideia de fazer esses posts, era só para mostrar os clássicos que eu tinha, mas aí eu percebi que eu só tinha um, e mesmo assim, só havia lido um. Eu já li a releitura de Dom Casmurro, Dona Casmurra e Seu Tigrão (resenha aqui), mas mesmo assim não foi o clássico em si. Sei que muita gente tem receio de ler os clássicos, e até entendo o porquê disso, afinal, a linguagem de antigamente foi modificada bastante até se tornar o que é nos dias de hoje. Então, resolvi fazer esse post para contar para vocês como foi a leitura do primeiro clássico da minha ficha literária.
Sinopse: "Inocência" é um marco do Romantismo e também um dos melhores exemplos de literatura regionalista, revelando detalhadamente a vida sertaneja do interior do Mato Grosso na metade do século passado. Fiel à tendência romântica, o romance possui no seu núcleo uma história de amor impossível: a jovem cabocla Inocência está prometida por seu pai ao rude sertanejo Manecão, mas apaixona-se pelo forasteiro Cirino, gerando uma série de conflitos devido ao rigoroso código de honra da época.

  Bem, para começar vou contar como ele foi parar na minha estante. Na época em que o comprei, minha prima estava fazendo vestibular, e ela me disse que os professores dão uma lista de mais ou menos dez clássicos, e que dentre todos eles, somente três caem no vestibular (não me lembro se foi exatamente isso, se distorci algo, mas é isso que me vem a mente). Quando ela me contou isso, nós estávamos na praia de Guaratuba, e na cidade havia uma grande livraria recém descoberta por nós.  Essa livraria não tem livros famosos, como HP, THG e tals. Ela possui mais os clássicos, infantis (principalmente), livros nacionais de editoras já conhecidas e alguns internacionais nem tão conhecidos. Como naquela época eu já me preocupava com o vestibular, decidi comprar um daqueles clássicos para já ir pegando o jeito da coisa, porque, sinceramente, a ideia de ter que ler quinze daqueles me deixou de cabelo em pé eu já devia saber que linguagem desses clássicos é complicada. Eu nem me lembro direito como escolhi esse livro, se foi pela sinopse, pela minha prima ter dito que ele estava na lista dela ou por ela ter gostado... Creio que foi um dos que caiu na lista dela. Foi assim que comprei o livro.
  Agora vem a etapa da leitura em si: como eu já disse, eu estava na praia mais precisamente num complexo turístico com piscina heuheue, e como eu adorava ler lá, resolvi começar por esse (acho que tinha levado uns livros que ainda não tinha lido na bagagem). Só posso dizer que, pelo que me lembro, eu gostava de ler sozinha, no quarto, pois precisava de silêncio para meu cérebro digerir todas aqueles palavras que eu mal entendia (imaginem a cena: eu, com uns dez para onze anos, tentando ler esse livro, com toda aquela linguagem difícil, no barulho da piscina heuheuh); na verdade, até hoje é assim, mesmo com os livros mais simples. Mas também me lembro de que, quando eu já tinha acostumado com o ritmo e o jeito da leitura, eu adorei ir na piscina um dia e ficar sentada lá numa cadeira, lendo esse clássico, entendendo superficialmente o enredo, detestando aquelas palavras em grego heuheheue E essa é a cena que sempre me vem a mente quando penso na leitura de Inocência.
  Mesmo com toda a dificuldade, eu terminei a leitura e passei a admirar os clássicos, mesmo tendo um só por base e nunca tendo lido e nem comprado/emprestado outros clássicos. Como o gênero de Inocência é romance, e como eu acho que na época eu era uma garotinha cheia de amor para dar e vender, que amava casais românticos, acho que isso me ajudou a continuar com a leitura. Lembrando que, como também já disse, eu só entendi o superficial do enredo, a história em geral, e é de certas partes desse "superficial" que me lembro.
  Pretendo reler em breve esse livro, e talvez tentar me aproximar mais dos clássicos, assim como estou fazendo com os livros de novos autores nacionais.

P.S.: Outro dia eu fui na casa da minha tia, e ela estava se desfazendo de alguns livros, tanto didáticos como uns de literatura, e tinha três clássicos nessa pilha: Lucíola, Os Miseráveis e Os Lusíadas. Peguei os três para mim hueheuhue Li o comecinho de Os Miseráveis e agora entendo porque tanta gente compra aquela versão enorme do clássico.

  E aí, qual foi seu primeiro clássico? Teve uma boa experiência com ele ou detestou?
  Comentem aí :P
  Beijos :D

14 comentários:

  1. Acho que o meu primeiro clássico foi Lucíola, é muito bom, gosto de José de Alencar, que bom que conseguiu um exemplar, espero que goste da leitura.

    http://www.eucurtoliteratura.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Tainan :)
      Que bom já ter uma opinião positiva sobre o livro :D
      Beijos *-*

      Excluir
  2. Nunca li esse livro, e pra ser sincera nem ouvi falar. Credo, sou muito afastada dos clássicos.

    Beijos, Ahri.
    http://dois-players.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Ahri :)
      Pesquise mais sobre... Garanto que é um livro ótimo ;)
      Beijos :D

      Excluir
  3. Eu adoro clássicos, tenho lidos alguns ultimamente, ainda quero ler outros mais, o mais recente foi Olhai os Lírios do campo que por sinal, adorei!
    Ainda não li Inocência, mas com certeza quero ler.

    Beijo, Vanessa Meiser
    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Vanessa :)
      Nunca tinha ouvido falar desse livro, vou pesquisar mais sobre ele ;)
      Leia sim, é uma ótima leitura.
      Beijos :D

      Excluir
  4. Oi,
    Ainda não li Inocência, na verdade é bem difícil eu ler clássicos nacionais, eu lia mais nos tempos de escola (para as aulas de literatura... rsrs).
    Mas é sempre bom ler um livro desses, faz a gente conhecer um pouco mais da nossa cultura passada.
    Adorei o post!

    Beijos,
    Juh
    http://umminutoumlivro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Juh :)
      Que pena que você não gosta muito :/
      Que bom que adorou *-*
      Beijos :D

      Excluir
  5. Li esse livro na escola, e amei. Já li outros nacionais clássicos também e não me decepcionei com nenhum :)
    Indiquei vocês numa tag! Vejam
    http://whoosthatgirrl.blogspot.com.br/2015/02/tag-liebster-award-2015.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Renata :)
      Bom saber que alguém também teve a sorte de ler esse livro maravilhoso *-*
      Obrigada pela indicação :D Quando responder, te aviso ;)
      Beijos :D

      Excluir
  6. Olá, tudo bem?
    Eu adoro clássicos, aliás u comecei a ler muito em função deles, não senti o trauma que as pessoas sentem ao ler porque a escola manda. Inocência eu nunca li, mas parece ser bom até. No momento estou lendo "Os Miseráveis" e inclusive estou fazendo um diário de leitura dele lá no blog, até o momento estou amando <3
    Bjus!!!
    http://lendoaestante.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá :)
      É, esse trauma afeta muita gente :(
      Eu li Os Miseráveis numa edição da FTD, com menos de 100 páginas e adorei. Quero ler aquela edição enorme, original, sabe?
      Beijos :D

      Excluir
  7. Oi Aline! Acredita que nunca tinha ouvido falar neste livro? E olha que é um super clássico (que vergonha rs). Não lembro do meu primeiro clássico nacional, infelizmente :/ Mas um que me marcou muito foi o "Capitães de Areia"... muito lindo!

    Beijos,
    Caroline, do criticandoporai.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Carol :D
      Sempre ouvi falar de Capitães de Areia, mas nunca li sobre o que ele fala. Vou dar uma pesquisada.
      Beijos :)

      Excluir

Dê sua opinião sobre o assunto discutido acima :D

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Copyright © 2015 | Design e Código: Natana Duarte - Colecionando Livros | Uso pessoal